Itaú Cultural lança programa de apoio a pesquisas em Economia da Cultura

 

 

O Itaú Cultural está com inscrições abertas, até o dia 30 de abril, para o primeiro programa Observatório Itaú Cultural de Pesquisa em Economia da Cultura.

Criado em 2006, o Observatório busca apoiar e estimular a produção de pesquisas e estudos acadêmicos voltados para temas relacionados à gestão cultural.  “Os estudos nesta área cresceram significativamente na última década, reflexo de novos olhares sobre os saberes e fazeres culturais, mas ainda há muito para ser desenvolvido. É necessário, por exemplo, ampliar ainda mais o desenvolvimento de pesquisas, promover processos e metodologias que auxiliem na criação de indicadores e na medição dos impactos tangíveis e intangíveis da cultura”, comenta Luciana Modé, coordenadora do Observatório do Itaú Cultural.

Segundo Luciana, entre os desafios deste campo está a produção de séries históricas, que permitam comparação e acompanhamento ao longo do tempo para avaliar ações e/ou políticas culturais, e o desenvolvimento de um espaço que não apenas reúna estes dados, mas que permita cruzamento de informações para gerar análises mais complexas. “Além de incentivar o universo de pesquisas sobre a cultura brasileira, o Itaú Cultural pretende divulgar para a sociedade projetos que reconheçam o papel da cultura na transformação socioeconômica de territórios”, ressalta a coordenadora do Observatório.

Tendo isso em vista, o programa, que acaba de ser lançado pelo Observatório, terá como proposta reunir estudos da Economia da Cultura em vários aspectos, como sistemas de informação, indicadores, financiamento, internacionalização, mercado de trabalho, demanda e desenvolvimento territorial.

Serão contemplados até 10 projetos, em duas categorias. A primeira é Pesquisa em Andamento, voltada para o incentivo aos projetos de pesquisa sobre o campo e, a segunda, é Pesquisa Concluída, direcionada para a divulgação de estudos cujos assuntos estejam relacionados ao mesmo tema.

Para concorrer na categoria “Pesquisa em Andamento”, os interessados devem ser maiores de 18 anos, brasileiros – natos ou naturalizados – residentes no Brasil, estrangeiros com residência fixa no país há mais de três anos e pessoas jurídicas brasileiras que tenham projetos acompanhados por um responsável. Já para a categoria “Pesquisa Concluída”, poderão participar pessoas físicas com pós-graduação concluída, que sejam brasileiras – natas ou naturalizadas – devem ser residentes no Brasil ou estrangeiras também com residência fixa no Brasil há mais de três anos.

Segundo Luciana, entre os critérios de seleção estão quesitos como qualidade, coerência e viabilidade. É importante observar ainda que, como informa o regulamento, os trabalhos submetidos ao programa devem ter como base a aplicação de métodos que priorizem a produção de pesquisa aplicada com informações quantitativas no âmbito da análise de indicadores e bases de dados setoriais no setor cultural brasileiro; pesquisa teórica sobre proposição de metodologias comparadas para levantamento de informações em economia da cultura; e métodos econométricos e/ou de estatística descritiva para a análise de impacto e processos produtivos no setor cultural.

Além disso, serão priorizadas pesquisas de análise microeconômica sobre comportamento do consumidor; análise macroeconômica e de economia industrial sobre elementos gerais e específicos das cadeias produtivas e impactos da cultura brasileira no PIB; métodos qualiquantitativos de compreensão do perfil de consumo cultural; estudos sobre valor econômico e cultural no escopo de suas inter-relações; estudos sobre internacionalização no âmbito comercial e estratégico (modelos de negócios); estudos sobre modelos e impactos de financiamento à cultura no Brasil e no mundo; história do pensamento econômico aplicado à cultura; estudos espaciais, urbanos, de geografia política e econômica e sociologia econômica aplicada; e análises comparativas sobre os itens acima mencionados.

A seleção inclui, também, para as Pesquisas em Andamento, a análise do currículo profissional ou acadêmico, do diploma de graduação ou pós-graduação e do projeto. No caso das Pesquisas Concluídas, a análise do currículo profissional e acadêmico, do diploma de graduação ou pós-graduação e uma cópia integral, digitalizada, do trabalho de conclusão, além da relação de fontes e veículos em que o trabalho tenha sido publicado em parte.

Cada projeto selecionado na primeira categoria receberá apoio financeiro no valor de até R$ 24 mil. Já os da segunda categoria receberão R$ 5 mil, R$ 10 mil ou R$ 15 mil, proporcionalmente ao tempo, metodologia e complexidade de realização da pesquisa.

De acordo com a coordenadora do Observatório, a proposta do Itaú Cultural é acompanhar as pesquisas em andamento. Sendo assim, os selecionados deverão apresentar relatórios analíticos periódicos que serão avaliados por um consultor especializado contratado pelo Itaú Cultural e pela equipe do Observatório, autorizando os desembolsos de apoio após a aprovação.

“O conteúdo e relevância das pesquisas serão sempre analisados cuidadosamente para que possamos identificar destaques que mereçam apoio para possíveis desdobramentos e/ou construção de séries históricas. Poderemos também criar pontes com outras redes de instituições que possam contribuir no apoio a esses desdobramentos”, ressalta.

Já os trabalhos selecionados na categoria Pesquisa Concluída serão publicados no prazo de dois anos nas coleções do Observatório. As publicações são distribuídas para um mailing formado por gestores, produtores culturais, artistas, pesquisadores e acadêmicos, além de ficarem disponíveis gratuitamente em e-pub e PDF na página do Observatório na internet e nas principais livrarias digitais.

 

Como participar

As inscrições são gratuitas e poderão ser efetuadas no site do Itaú Cultural, até o dia 30 de abril (clique aqui). No dia 17 de agosto serão anunciados os resultados da seleção pelo site.

 

Via GIFE